Giovanna Antonelli – capa da Edição 50

Giovanna Antonelli – capa da Edição 50

Compartilhe

 Por Camila Heloíse

 A todo vapor com as gravações de S.O.S Mulheres ao Mar 2, Giovanna Antonelli esbanja simpatia e um corpo de causar inveja. Sempre divertida e com um sorriso largo no rosto, a atriz de 39 anos, nascida no Rio de Janeiro e que já coleciona trabalhos na televisão, cinema e no teatro, nos recebeu em São Paulo para falar do novo trabalho e de como mantém uma vida saudável e feliz.

Gio se divide entre ser esposa, mãe e uma talentosa atriz. É a típica mulher-maravilha que tira de letra todas essas coisas sem se deixar abater com as dificuldades que surgem pelo caminho. Bonita e elegante, ela conta que é muito vaidosa, mas também que não faz desse o seu foco absoluto na vida. “Sempre fui muito cuidadosa, vaidosa, mas nada excessivo. Acredito no meio termo. Acho que a coisa mais difícil é manter esse equilíbrio. É você ter a consciência de que esse é o caminho. A vida me trouxe cada vez mais essa consciência de tentar equilibrar as coisas. Eu me preparo para emagrecer quando vou fazer algum trabalho, mas aos finais de semana é claro que eu como alguma coisa diferente, se não fica anormal”.

Com um corpo cada vez mais magro e escultural, Antonelli tem uma legião de fãs que a considera uma das atrizes mais encantadoras e sexy’s. Ela diz que tudo não passa de um constante cuidado e preocupação com a saúde para manter o corpo em dia.

“Quando você tem a consciência de que esta se cuidando, comendo bem e malhando, é ótimo. E essa consciência eu vou levando para os meus filhos, e também levo para os meus funcionários e a vida de todo mundo vai melhorando. Minha filha, por exemplo, acaba de comer e me pede uma fruta”, conta orgulhosa.

sos2_foto mariana vianna-3996
Foto: Divulgação

S.O.S Mulheres ao Mar 2

Antonelli deu vida a Adriana no primeiro filme S.O.S Mulheres ao Mar, dirigido por Cris d’Amato e lançado em março de 2014, onde atuou ao lado das atrizes Fabíula Nascimento, Thalita Carauta  e de Reinaldo Gioanecchini. No filme, uma comédia romântica, Adriana vive uma mulher que acabou de ser deixada pelo marido e embarca em uma aventura com as amigas, “sem deixar a peteca cair”. “Sem perder o humor jamais. Dessa forma, tudo fica mais leve, até o sofrimento”. São 1h36min de aventura, romance e muita risada. Agora, já gravando as cenas do número “dois” da comédia, ela espera superar as expectativas do público e aprova o bom humor, usado pela personagem para lidar com os conflitos da vida. “Sempre uso o bom humor para lidar com as coisas da vida, com raras exceções. O bom humor é fundamental. Sei que às vezes é impossível, mas a gente tem que aprender a tirar o melhor até do sofrimento. Dói? Dói. Mas o bom é que o momento passa, seja ele qual for. Então, se alguma pessoa está num momento que é ruim tem que lembrar que esse estado vai passar”.

O bom humor está presente na vida da atriz não só em seus trabalhos, mas faz parte do seu dia a dia, como forma de manter as coisas equilibradas e continuar seguindo em frente. “A gente tem que tentar transformar o momento ruim porque não existe milagre, né? Acho que existe o nosso automilagre no poder de acreditar que as coisas vão dar certo, e aí por dentro a gente acaba canalizando uma energia para isso. A fé move montanhas e eu acredito muito nisso”.

Apesar do romance envolvido que poderia tachar o filme como mais um longa de mulherices, Antonelli diz que S.O.S está longe disso. “Não acho um filme feminino. Acho que trás amor, humor, pessoas de vários tipos e com diferentes expectativas. Isso faz com que todos se identifiquem com nosso filme, de qualquer gênero e de qualquer idade”.

A atriz confessa ser uma grande fã do cinema brasileiro. Perguntada sobre como ela vê a comédia no Brasil, que é cada vez mais explorada, Antonelli confirma sua predileção pelos filmes cômicos e românticos. “O cinema brasileiro tem sido cada vez mais prestigiado pelos brasileiros. Isso é uma conquista e não pode parar. Comédias ou não, o que vale é a realização. É produzir cada vez mais, com mais recursos. Particularmente, amo o gênero comédia romântica”.

O segundo longa da trilogia segue com o romance entre Adriana (Antonelli) e André (Gianecchini) e com as peripécias vividas entre ela e duas amigas. “Elas, na crise dos trinta e poucos a caminho dos quarenta anos. E como pano de fundo a história de amor de André e Adriana, com desacertos e desencontros. No primeiro, elas estavam em busca da felicidade. Nesse, estão atrás da juventude. E quem sabe no terceiro, da espiritualidade?”.

Reynaldo Gianecchini e Giovanna Antonelli - Foto Ana Bernardes
Foto: Ana Paula Bernardes/Revista Ícone

Reinaldo Gianecchini: amor, amizade e parceria

A amizade facilita o processo criativo entre os dois, que já trabalharam juntos em outras ocasiões. Fomos presenteados com cerca de cinco pares românticos vividos por Antonelli e Gianecchini na televisão. É nítido nas telas que a intimidade entre os dois faz com que o trabalho seja realizado de maneira prazerosa e especial. E esse forte laço entre os amigos é também um dos pontos fundamentais para uma comédia romântica de qualidade. “Nem preciso dizer o quanto é bom trabalharmos juntos. Temos muita cumplicidade e o melhor é que nos divertimos muito fazendo as cenas. Um prazer, que com certeza atravessa a tela e chega até as pessoas. Temos uma equipe super entrosada e que trabalha feliz, com tesão. Tudo isso pesa no resultado final”.

Para quem teve o prazer de assistir ao primeiro filme, é fácil perceber o quanto os dois são cúmplices, e quem sai ganhando são os expectadores. “O Giane é meu amigo, meu sócio, e nossa história está acima do bem e do mal. Como a gente trabalha muito, não só juntos, a gente sempre traz um novo frescor a cada novo encontro. Seja pelo momento da nossa vida que estamos vivendo, por experiências que a gente teve na nossa vida pessoal e profissional. O bom é que a gente está sempre se ouvindo e trocando ideias e não tem uma cena que a gente faça que a gente não se divirta muito”.

Enquanto aguardamos ansiosos para ver Antonelli e Gianecchini brilhando em S.O.S Mulheres ao Mar 2, a atriz já está pensa no futuro que promete ainda mais aventura e romance. “Já penso no terceiro, para fechar essa trilogia. Sonhar, planejar e desejar não custa nada (risos)”.

Compartilhe

COMENTAR

Deixe seu Comentário